fevereiro 23, 2008

Baixa estatura e Pedofilia

Baixa estatura de homens estaria ligada à pedofilia

Homens baixos têm mais chances de se sentir sexualmente atraídos por crianças que homens altos, de acordo com um novo estudo a respeito das raízes biológicas da pedofilia.

A hipótese é de que esta atração seja conseqüência de uma exposição a "condições pré-nascimento", que afetou o desenvolvimento físico dos pedófilos, escreveu o Centro para Vícios e Saúde Mental no relatório "Abuso Sexual: Pesquisa e Tratamento".

"Esta pesquisa não conclui se pedófilos não sejam criminalmente responsáveis por seu comportamento", afirmou James Cantor, principal autor do estudo.

"Mas a descoberta de marcos biológicos para a pedofilia tem implicações importantes para o futuro e para o desenvolvimento de eventuais tratamentos".

Analisando as fichas de mais de mil homens processados por pedofilia ou outros distúrbios sexuais em Toronto entre 1995 e 2006, os pesquisadores observaram que homens pedófilos eram em média 2 cm mais baixos que aqueles não atraídos sexualmente por crianças.

Essa diferença de altura é um traço associado a outras disfunções com origens biológicas, como a esquizofrenia ou o mal de Alzheimer, também relacionados à baixa estatura, segundo os pesquisadores.

A mesma equipe de cientistas já havia descoberto que pedófilos "possuem o QI mais baixo, têm três vezes mais chances de ser canhotos, repetiram mais vezes na escola e sofreram mais lesões na cabeça durante a infância".


Trata-se de outra teoria pautada no determinismo biológico, no qual a hipótese de que anomalias hereditárias (ter baixa estatura virou anomalia) desempenham papel preponderante na formação da personalidade. Essa teoria assemelha-se a do “criminoso nato” de Lombroso que acreditava ser possível identificar um indivíduo criminoso pelas suas características físicas.

Apesar da natureza inconsistente destas teorias, Lombroso foi e parece continuar muito influente na Europa e também no Brasil entre criminologistas e juristas. Suas obras: L'Uomo Delinquente (1876) e Le Crime, Causes et Remèdes (1899).

Precisamos ter cuidado com essas pesquisas que procuram descobrir indivíduos psicopatas, propagando concepções positivistas acerca da criminalidade que afetam, para nossa preocupação, as políticas públicas do campo sócio-jurídico, criminal e de segurança pública.

1 comentários:

Agnes Cristina Pala disse...

Ao ler o titulo, lembrei de Lombroso e sua teoria 'fantastica' pra quem adora uma causa pra um efeito. Ainda bem que a teoria 'fantasticamente-funesta' caiu por terra mas, ainda existem os deslumbrados em achar receitas de bolo para o comportamento humano...
'Ainda' espero a publicação daquele livro que ouvi falar no primeiro dia de aula na faculdade que tem tudo sobre o ser humano e que explica tudo: apenas uma consulta e os problemas seriam solucionados.
Consulta? que nada!... Se existisse seria o best-seller mundial pq todos teriam e saberiam de si (todos, um exagero!, alguns somente se interessariam...).
Ironias a parte, ler sobre estudos com rotulos de 'cientificos' sobre algo apavorante (e quase-ridiculo) como este da altura é de causar espanto e ate revolta: pra este tipo de 'pesquisa' 'deve' existir financiamento... (mas isto eh outra questao).
Daqui a pouco, surgirao estudos que 'comprovam' que pixadores e grafiteiros sao pessoas altas e frustradas em nao terem escrito nos quadros-negros dos colegios.

A questao nas entrelinhas é: ate quando o Positivismo 'reinará' deste modo tao absurdo na Ciencia, em busca de respostas 'fechadas', 'intocadas', 'imutaveis', sem uma flexibilidade e compreensao da complexidade existente na existencia humana?