março 03, 2008

Não Bata, Eduque!

A CAMPANHA NACIONAL NÃO BATA, EDUQUE
A campanha pretende fazer com que a sociedade brasileira pense sobre o castigo físico e humilhante usado como medida para disciplinar as crianças. A intenção é promover uma ampla reflexão sobre o assunto a fim de conscientizar a sociedade sobre os direitos das crianças em ter sua dignidade e integridade física respeitadas, o que inclui o direito a uma educação livre dos castigos físicos e humilhantes.

Punições corporais e psicológicas contra crianças e adolescentes, como palmadas, chineladas e ameaças, são práticas habituais em quase todas as sociedades. Encarados como ferramentas essenciais para a disciplina, estes castigos, que variam em intensidade, estão presentes em muitas casas, escolas e outras instituições.

Embora para o senso comum, a “Pedagogia da Palmada” seja simplesmente um instrumento corretivo (ou preventivo), ela encerra um problema muito maior que é a banalização do uso da violência como meio de solucionar conflitos. Além disso, ensina a criança que a violência é uma maneira plausível e aceitável de se solucionar conflitos e diferenças, principalmente quando você está em uma posição de vantagem física frente ao outro.

O castigo físico e humilhante -
violência aplicada por uma pessoa adulta com a intenção de disciplinar para corrigir ou modificar uma conduta indesejável - imposto à infância poderá ter reflexos negativos ao longo da vida da criança. Ademais, constituem uma violação aos Direitos Humanos fundamentais, atentando contra a dignidade humana e a integridade física das crianças.

Missão de Rede Não Bata, Eduque

Contribuir para o fim da prática dos castigos físicos e humillhantes,seja no meio familiar, escolar ou comunitário.

Assista ao vídeo da Campanha

1 comentários:

Maria Velho disse...

A ideia subjacente é maravilhosa, a campanha um instrumento óptimo de sensibilização...mas como educar os educadores que, quase todos, foram vítimas, toda uma vida, de castigos físicos em casa, na escola e até no trabalho? andamos um pouco atrasados, a nível mundial, nestas questões...
Mas, PARABENS BRASIL!